Imagem peregrina de Nossa Senhora vai estar na Diocese de Angra entre 7 de janeiro e 28 de fevereiro

Imagem peregrina de Nossa Senhora vai estar na Diocese de Angra entre 7 de janeiro e 28 de fevereiro

19 de Agosto, 2015 Não Por Azores Today

Angra é a diocese que acolhe por mais tempo a Imagem de Nossa Senhora, a mesma que vai estar agora em setembro na Síria

A Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima vai estar na Diocese de Angra entre 7 de janeiro e 28 de fevereiro, do próximo ano, altura em que se assinala o Jubileu da Misericórdia.

A Imagem que vem para os Açores é a mesma que estará no próximo mês de setembro junto dos cristãos sírios e a diocese de Angra será a diocese portuguesa que mais tempo a acolherá. Entrará por Santa Maria e sairá pela Terceira, onde se despedirá dos Açorianos, a partir da Catedral.

“O Espírito do Roteiro definido obedece a uma certa cronologia pois pensa-se que a Igreja de Nossa Senhora de Fátima foi a primeira dos Açores e uma das primeiras (senão a primeira) erguidas no país com esta dedicação”, disse ao Sítio Igreja Açores o Vigário Geral da Diocese que é o Delegado Diocesano do Conselho Pontifício para a Nova Evangelização (Jubileu da Misericórdia) e do Santuário de Fátima (Visita da Imagem Peregrina) e, portanto, o interlocutor prinvilegiado na organização desta visita.

“Além disso, a própria ilha é dedicada a Nossa Senhora, caso único na diocese de Angra pelo que entendemos que faria todo o sentido fazer o acolhimento da Imagem peregrina nesta ilha, que foi também a primeira a ser descoberta e povoada”, frisou o Cónego Hélder Fonseca Mendes.

“A Imagem vai fazer o  percurso  de todas as obras de Misericórdia dos Açores, que são 14, e simultaneamente percorrerá todas as ouvidorias, de acordo com um tema bíblico, ficando preferencialmente nas igrejas definidas como jubilares neste Ano Santo”, acrescentou ainda o Cónego Hélder Fonseca Mendes, lembrando que esta inspiração biblica “além de dar o mote acaba por conferir unidade ao programa da visita”.

A Imagem vai ser acolhida a 7 de janeiro, na ouvidoria de Santa Maria, onde ficará dois dias, seguindo depois para São Miguel, onde percorrerá as oito ouvidorias, começando pela Ribeira Grande (9 a 12 de janeiro); Fenais da Vera Cruz (12 a 15 de ajneiro); Nordeste (15 a 18 de janeiro); Povoação (18 a 21 de janeiro); Vila Franca do Campo (21 a 24 de janeiro); Lagoa (24 a 27 de janeiro); Capelas (27 a 30 de janeiro) e Ponta Delgada (30 de janeiro a 1 de fevereiro). Seguem-se as ouvidorias das Flores (2 a 5 de fevereiro); Corvo (5 a 8 de fevereiro); Faial (8 a 15 de fevereiro); Pico (11 a 14 de fevereiro); São Jorge (14 a 17 de fevereiro); Graciosa (18 a 21 de fevreiro) e finalmente, Terceira (21 a 27 de fevereiro). A ouvidoria da Terceira é a que mais tempo acolherá a Imagem Peregrina já que que percorrerá todas as zonas pastorais da ilha. O encerramento da visita aos Açores será feito com uma despedida na Catedral pela Porta da Misericórdia, uma porta que será aberta no próximo dia 13 de dezembro, 15 anos depois de ter sido aberta pela última vez.

“Esta porta da Sé foi aberta no Jubileu de 2000 e nunca mais voltou a ser aberta. Para este ano da Misericórdia foi definida como a Porta da Misericórdia e terá uma decoração especial para o efeito: de um lado a referência às obras de Misericórdia da diocese (14) e do outro uma alusão às ouvidorias (16)”, precisou, ainda o Cónego Hélder Fonseca Mendes.

Refira-se que o Papa quando promulgou a Bula de Proclamação do Jubileu Extraordinário da Misericórdia- Misericordiae Vultus- solicitou a cada diocese que indicasse uma Porta de Misericórdia, que será aberta em simultâneo por todos os bispos no dia 13 de dezembro, segundo domingo do advento, uma semana depois de aberta a Porta da Misericórdia na Basílica de São Pedro, o que está previsto para dia 8 de Dezembro. De resto, já foram solicitados elementos sobre a história, localização e horários dos serviços religiosos, de Adoração do Santíssimo e de confissões  da Igreja onde se situa a Porta da Misericordia diocesana.

A diocese de Angra, por ser dispersa e ter especificidades geográficas próprias, terá para além da Sé, mais 22 Igrejas jubilares, nas quais se inscrevem, entre outras, os cinco santuários diocesanos.

Para o Bispo de Angra a coincidência entre a visita da Imagem Peregrina e a comemoração do Ano Santo da Misericórdia, durante três semanas da Quaresma, deve “ser aproveitada como um período de graça” ,  vivido com “muita intensidade” por todos os Açorianos, que “deverão olhar para Nossa Senhora como a verdadeira Porta da Misericórdia”.

De resto, está previsto que D. António de Sousa Braga presida às cerimónias de acolhimento e de despedida da Imagem, em Santa Maria e na Terceira, respetivamente, as quais obedecem a um guião celebrativo nacional que está definido pelo próprio Santuário de Fátima, que acompanhará a visita desta segunda imagem de Nossa Senhora.

Esta Imagem vai visitar Damasco, a capital da Síria, em setembro, a pedido do patriarca Gregório III, de forma a que “estes cristão não sejam esquecidos” como disse o Reitor do Santuário, Pe Carlos Cabecinhas.

Neste contexto o reitor do Santuário de Fátima informou que a Imagem Peregrina (n.º2) vai estar em Damasco, na capital do país, entre 07 a 09 de setembro.

O sacerdote revelou que o patriarca Gregório III descreveu que na Síria existe um povo “martirizado por um conflito que dura há mais de quatro anos”.

“O pedido sublinha que Mensagem de Fátima é facto de uma mensagem de paz e que somos convidados a não esquecer estes cristãos martirizados”, observou o padre Carlos Cabecinhas, numa conferência de imprensa no dia 12 de agosto.

Entre portas, o programa da visita será acompanhado de perto não só pelo Vigário Geral e ouvidores, mas também pelos movimentos diretamente implicados na Mensagem de Fátima, especialmente, o Movimento da Mensagem de Fátima, que tem como assistente diocesano o Pe Júlio Rocha.

A imagem fará todas as viagens de avião, na Sata Internacional e na Sata Air Açores, à exceção das viagens nas ilhas do Triângulo- Faial, Pico e São Jorge- nas quais será transportada de barco.

“O facto de sermos uma diocese dispersa, com ilhas, faz com que tudo isto seja mais difícil de planear e de acompanhar, mas na programação procurámos que tudo fosse cumprido com o máximo preceito e respeito pelo guião nacional”, concluiu o Vigário Geral adiantando que está prevista uma nova reunião entre ele, o assistente diocesano do Movimento da Mensagem de Fátima e os responsáveis do Santuário de Fátima no dia 2 de setembro, em Fátima, aproveitando o Simpósio do Clero onde vão estar vários sacerdotes da diocese, responsáveis pelo roteiro em cada uma das ouvidorias açorianas.

Fonte: Igreja dos Açores