A ILHA DO PICO E O TURISMO – OPINIÃO DE CLÁUDIO LOPES

Durante muito tempo acreditei que a base da economia açoriana estaria na agricultura e nas pescas. Na verdade, de algum modo, é o que tem acontecido, até agora, na generalidade das nossas ilhas.

Na área dos laticínios, os Açores representam 30% da produção nacional. Produzimos carne de boa qualidade e capturamos bom peixe.

Desde há algum tempo começamos a promover mais a diversificação agrícola. Salvo outras honrosas exceções, gostaria de destacar a recuperação da produção vitivinícola que se tem vindo a operar com grande sucesso na ilha do Pico.

Apesar de tudo, temos muitos jovens ligados à agricultura e às pescas.

Há, contudo, no domínio do setor primário regional um complexo de constrangimentos e de dificuldades que retiram rendibilidade e rentabilidade ao sector, nomeadamente aos produtores Agricultores e pescadores), o elo mais fraco dessas cadeias.

Na fileira do leite, a extinção das quotas leiteiras vai causar um grande revés. Na fileira da carne, a concorrência por vezes desleal da entrada de carne de países terceiros baixa os nossos preços a níveis desastrosos. Na pesca as opções erradas ou a falta de boas opções no setor conduziram a um esforço de pesca que “rebentou” com os nossos “stocks piscícolas”, nomeadamente nas espécies de maior valor comercial.

Tudo isto, associado a más políticas governativas que ora induzindo determinados sectores a investimentos vultuosos, sem ter em conta o custo/benefício, ora ficando-se pela construção de estruturas e esquecendo as políticas que poderiam dar sustentabilidade às estruturas criadas, teve como consequência o afundamento da economia regional. Isso revelou-se mais grave nas ilhas demograficamente mais pequenas.

A ilha do Pico foi também uma das vítimas. Mas, os “Homens do Pico” são de rija têmpera. Antevendo as dificuldades que se avizinhavam, há algum tempo perceberam que a Natureza da ilha podia e devia constituir um fator de progresso e de desenvolvimento. Daí a aposta no Turismo. Mas uma aposta no rumo certo. No turismo em espaço rural. Primeiro no alojamento, que continua a crescer e que já dispõe de uma oferta muita significativa. Agora mais na animação. Aqui muito já tem sido feito e está consolidado (o bom exemplo do whale watching), mas aparecem novas atividades e outras podem vir a surgir no curto e médio prazo.

A Montanha é o ex-líbris da ilha. Mas a paisagem da cultura da vinha, (património da UNESCO), os três museus do Pico (associados á baleação e ao vinho), a gruta das Torres, a emergente atividade do mergulho e, espero bem, o próximo projeto da “Casa dos Vulcões”, são projetos estruturantes de uma oferta que, uma vez bem organizada e divulgada, fará da nossa ilha uma ilha de Turismo de qualidade e de excelência.

Porém, tudo tem de ser feito com inteligência e prudência. Vontade há, das nossas gentes (em especial dos nossos jovens) e de muitos que vindo de fora aqui pretendem investir e por aqui se vão fixando.

O Governo não tem de fazer muito, ou melhor, não deve fazer nada em alguns casos. Porque às vezes onde se mete só estraga e complica. Apenas deve proporcionar as condições para que as coisas possam acontecer.

Neste momento o que o Pico e muitas ilhas da nossa Região necessitam que o Governo faça é tratar convenientemente as acessibilidades. Nos transportes aéreos e marítimos está a chave do sucesso de algumas das nossas ilhas.

No Pico isso é incontornável. Temos de ter ligações aéreas com maior frequência, seja do exterior da Região seja internamente. Depois da chegada das “Low Cost” e da possibilidade que isso criou em termos tarifas para o Continente português abaixo de metade do preço que tínhamos antes. Resta agora ao Governo Regional e à SATA fazer o mesmo nas ligações inter-ilhas. A SATA deve ter uma frota adequada para dar resposta às solicitações que vão surgindo. O custo das tarifas aéreas inter-ilhas deve baixar na mesma proporção do que aconteceu no custo das tarifas entre a Região e o Continente.

Temos de ter boas ligações marítimas de passageiros e de mercadorias, feitas com regularidade, frequência e segurança. No fundo, temos de ter transportes fiáveis. Essa será a maior e melhor ajuda que o Governo poderá dar aos nossos audaciosos empresários locais.

Isso promoverá a nossa economia, gerará emprego sustentável e proporcionará mais crescimento e maior coesão territorial na Região.

 

Fonte: PSD Açores

Ver também

Ouvidoria de Vila Franca reabre Igrejas mas deixa Ponta Garça encerrada

Missas numa das duas freguesias mais afetadas pelo COVID nos Açores estão suspensas até 31 de janeiro As igrejas das paróquias da Ribeira das Tainhas, São Miguel, São Pedro e Água d´Alto, na ouvidoria de Vila Franca do Campo, em São Miguel, vão retomar as celebrações este domingo mas em Ponta Garça todos os atos […] O conteúdo Ouvidoria de Vila Franca reabre Igrejas mas deixa Ponta Garça encerrada aparece primeiro em Igreja Açores.