COESÃO – OPINIÃO DE HERMANO AGUIAR

Vivemos tempos em que se nota, cada vez mais, que há pessoas e terras da nossa Região que estão a ficar para traz no processo de desenvolvimento equilibrado, social e territorialmente, que foi a trave mestra do nosso processo autonómico.

A Autonomia devia ser a chave da resposta ao abandono das nossas terras e das nossas gentes.

A falta de coesão social e territorial começa a minar a visão que os açorianos têm do nosso regime autonómico. Como se viu nos tempos mais recentes, bastou abanar a bandeira de uma ou outra crise mais acentuada e específica, numa ou noutra ilha, para que o papão do bairrismo serôdio fizesse capa de jornal, editorial de revista, comentário de analista, e tomadas de posição políticas que puseram a nu a verdadeira fragilidade do nosso regime autonómico.

Há que criar mecanismos que fortaleçam a coesão entre as nossas nove ilhas. Sem coesão territorial do arquipélago a Autonomia dos Açores não vinga.

O reforço da legitimidade democrática dos Conselhos de Ilha, com os consequentes poderes deliberativos vinculativos, e a criação de um Conselho de Concertação Territorial, que reuniria todos os presidentes dos conselhos de ilha, poderá ser um caminho a seguir.7

Fonte: PSD Açores

Ver também

Qual Constituição?!

Por Renato Moura Crescente fragilidade do Governo da República. Erros e omissões a agravar-se com consequente perda de confiança. A estratégia de defesa é o socorro a justificações e desculpas esfarrapadas, ou recurso ao ataque. Internamente o Governo desvalorizou o sarilho na escolha do procurador europeu. Para as instâncias europeias talvez nem bastem as explicações […] O conteúdo Qual Constituição?! aparece primeiro em Igreja Açores.