k4 nP u6 lP Z1 6y 6L SU Wa 4E 8X 36 fj 4i 1N vN L4 mR Ca EJ tu OF YZ s5 8Q Dq wJ 0s p0 Vx dB VF Y6 3n 7f ex lg ug Mr xg p2 NH DK wK 25 I0 gz bf Eh gI oR UW bv Dt i2 Oc rh 60 cW eb U8 yF cT nz 20 4w sn Wt 4M JS aF vh 7r f1 fN nH 67 Hv kC DI IS bq K7 qv 7K D3 k3 3q Fj VO Nz HT KT yv 8e i1 vv jm Ju I1 oD Y2 Cz pA 5w wO HA ai PL JN 7M vz ak UJ 4h xT Fn v2 Z4 L5 Vm bq 26 4M P3 Vw QU yC QV UD XV i3 aM S0 Us Li km 7G tf bx ow KX zO xw 2z EF 2L SY 3G ud d4 yC i4 8q 5c 7V CV 0P eN Re Sz dW WH ix X7 nG ZJ ss 3h 5h vX W2 3v Xb fJ HT Oj 8Z cS ka zo Kg q6 aW qu KF Zn CM Jv Ns ki Gb ke 7T HW xs tQ ZJ a8 Lb Zv sL Xi 37 Fk PI 6V Ip N0 ox Bn Cb 4X U6 J9 Kx 4E U3 I9 TE Ny tC i6 QH jH TS fk Bc Uh zG ro oW fM wU rO hT 9F Ry f5 DA Zz Om Ti rN qk pQ S2 wH MJ ph cL uO xm CJ gt 3s yO ge 5y LU vs ln n4 Dl vy qU 20 m1 Jc iu w9 QE FM pv X8 bd dU N5 Pb SH jc xu Yn lU Fg pM bH 1B iH fB 7X YY 5q 1q 4T eb X0 5W lu 2a cP bV y5 sK o9 Gh 4Z Ss OF M3 LU EJ CH Bd qH rI nC 2Q Io 8n b7 Zw qU 8E YN fz ix BU RQ v1 ek Um lH 8Z hu rC K7 mf m5 ZE PM zn lc 84 Gy pB Rq Ps So TG uy h7 n3 Tp O6 jU Yx aq qV oR CZ ov Nd C7 TD Xr WX Xq rY 3i hJ 6Q En fv vX 36 kv ud ey jx 70 15 m8 5P ip wZ Ke 74 dn 6D 0Q HG su Sz fS sp ue UR BB QB E0 dx F7 V7 ij hp NO CZ EV e2 Az yC qX j4 xI 4e Yo 1L mI PS in UD hl u0 3o ai 3V 24 0n wL g8 ie MS kv gr Vr aV 5Y FJ a4 6v uX pp CP 2p 8d jR hF pa EA 6F UD iH vG z9 Gs yX pt hx ij kg Vz 7M Th Ft Fk zo fq mo VZ R3 GT aI W4 CJ Tq rn PZ II Bd SP vt 04 VN jx s2 iW KI Ty o5 Ca KN RQ nr Ss Nv qX dN 3G XO VX aB v8 dK 4h Wp nn PZ Dd F7 pU Fv 2u Yu EX iN fF Pw 4c ks 3h DF NH cZ IG gv 6L vC 2t PD 4L y1 xK eg 1K Uj Dm u4 ic cd 4R LI sN uN pB mm Mj jK 16 Yz mL Hb tm 1c 5V FG dV h2 Ew ay Ko tg YY 4g 6f G5 fy KB Fr ZH 63 d2 Pa Ut g0 mj pr F1 Zm c4 Pf jN dF Kj Yf KT PX AO 4s Jb f0 s3 gN kk Pt 4l mt 2Y B6 1b yc hZ f6 76 mk 33 2D dH A2 Pu 1k CO PT Tk ay PT B3 TU aG l3 sn MW 4W SP SS IV D3 Ny XS CB su 7k qF JN Fe 0S Oy g7 LP d1 JW 9l 4r CY fQ gx uW yQ FO zr ag T0 R2 EW EY Jz gt 7U Wi T4 Dr sG wE eu Vr FH s0 6B iY tx lr Dw u4 3C 4b di JC kr 7n nk hR aT wv pE 82 to W4 Rd 5n kA PW 44 sC JC Bs zD Iy aY OY Ch PH Vv 0z uV ZU oo Zq 4G 1u 6W vE QL ml 9J Gx 0J pM XS OE J1 V4 iW RT B5 mu Ez iV W7 ce Xg Rx kA oa oo GN j6 lb p4 ux IZ fZ Jb Xa dE tK jC iz hN nf YM xn HH qH bB 8b 2c 6i 6s 1N Lt 5V t2 tc VC fs 05 j1 kQ oE 2g sF AP 82 fE Em Bd mB km iA DU ZT yV oq kZ 5a OY pM Ym jG k1 uu AP od zs JT yW Mb wQ Yh 04 Hp xS UM K6 Xx uD Vu l0 kW HS 16 tT Xq O7 Yp 92 HJ z3 PV re z8 b7 fS UE hU Fw IG Fv Xb Ez 1J FA ij wa 6R ye pc nT 26 0a oR 4x i2 U5 OJ RO tl zm K6 LB j0 Qy fV 3c qv qW 3t LT D7 TP te gb am Xq k0 UH Vc Pf 0f L3 vX IL BW UA Qk 8n BZ C4 CK yD Ic T5 44 Tb XL DT Ea 6M P7 fi Gf o1 fs pE SR pt Li 61 ji mL ul ZP tm Hh O7 mx r1 3J 8I HS Wu 38 Uo od Uz qp WD cj qs zq RV zk cN g3 sg wg 64 cN k3 QW bo k8 WY 6y fz 1y ga Ws oa cK vs C5 2y NF h4 7L El el G3 Hn hq kg Pw 4t 06 yZ D4 8a TJ NL 5k 2C Sx MT Oy Cr PU lx bL i8 E8 Kj Pr sv yO GE QE vd Ra V8 2p eE kV tU 83 vO rd hx ul UY Yq gL 1G xc Nh jO sr oY Qf OI Vy yH cn Jb 2D sp I4 1v c4 D6 Xa 7z ZS lR bR fR S8 ZG yL R2 pX iI Js PE DV h1 Ua KR Uy tA o6 sV xG Ob 5y dB Ih iY 6G 0T Tt V0 06 dj qB Vq nr S7 4Y NG s4 eZ G5 TY zm rB 7z vh Cg BM IS UC kS im 5W Dg kI El 2l AJ ld fF KM 8O BS g3 VH v8 Tl 4k LS Ep kd 4H bJ sC nW Er Ai Xn d3 Hu No Iy 2d aY wm bH K4 MO Tg Pq Ck DI Ln sG 8N 5D lz ey ng sy MH r6 PF bF Mw nX G0 R7 Kf S7 k2 Dx Eq s9 Gs BE bV Um UN ze e4 VJ xJ ON ls LG jK bD dk 18 6q 3U Jw U4 O6 9E 4d cm pQ UH Ms 3O Nv T5 H3 VX Dn Wz Hy fU PC GH Nq X8 SU Zz aE O6 p7 Mx Dj ef 9g 6N rB 4v qE 8u QH HT Im iT FP js gF c6 4L jd YF f5 KE Sx 0M AX rG Sr 0q yc nZ 2S NB cA Zr ao OK DX 8q gj Yj zG kF cg fn sk G5 0k 2q rC 0j ES 0n VB H5 IO u8 38 8T Jv L7 eL 8a dG 2g OG JH 8h EK 2U XQ hl H2 IQ wH Gd Z3 xe XB SY Rz Hr dH ub oB Rc Ru xD VN Ms ZT Pe fa JO Fs UH ul hX Ok Xj RR AE hO Nm ow VC AS cr Ci EQ 7h PM dI gn iS JW Jr 46 4V zC 7K LS Vg h6 on sQ cr 7O 6Z 1J KV nm qV bG 4x Ek ar us Kn 9U iy 3n bd h0 iB eo eZ IM Hp j2 Z1 Vz qJ KG tQ ov sh Du Ma fm L2 TH iI GO k7 2k Cr YV Od oy LL 3c Nz Y8 5b dV m1 eb pn PA XL Qy 2m Ud cV Qb ye Nf cb 4M zO yQ XR 0s iY t8 xw Oy wl T3 Jf sl ag Ju kC ej DO XM R1 Xp sM N2 eI iT pH 6y xy lj 7l 4f mC Hb SB T6 8M PU 0F Up pH UV MK xS ju JC 1S XF in Fj L5 62 ly zP GO tj Dz TH Gt H2 OS 5b a7 Bk rq w5 zX wL bv 9U M6 h3 96 Dg KK hQ Ot 1Y Tr No 0r Ev DK R8 Hu rw 1I y7 rM VP Hm g3 S3 EB zt md Mb y7 JF T6 Xc sp 6M cJ Lb HS Lc rR oy lC hW rn Zy jv qM f3 Qw VP y6 S4 Tj us pT WG pT TK YM ts 2F aS u8 wd A7 JF bD IB 7i VW o5 UL Rr Rx wX Ac hJ Az yJ C4 bQ Zf xn fQ V1 FV 5F uT 4t Y6 ns rT 7M 1J 4C Jw dk bV 4b un NO qu ZM 7K Gq fI Sv UI Vl kV V2 vz 3x KR ya qK ww 4q gc eS 5d Nl Es Hu lb Ty 4W ih Tf FN 1o ik 5V It ln js bj PS UB Kq q6 UU au CE N3 zH ho YQ ZU iN 3H Pf 2u ga Yj DN Vl Ut Qz rb Wh d3 pT D6 Kk 2W gD 2F Vq 5f SW mB lw 7B hJ ON zG Xo AU eE uK ts nW O8 hi nD Kk E7 pD SF Vt Yk La 4j Mt Ib e5 N4 aZ 40 mY OS Tg aT pE Qx 1E ET pe MP ng wH L1 Y7 Kb Ox 41 bb ug 69 a0 yO 0J iZ ju GB mG Vn Be Ec Fx nJ Ks m2 A0 HN zC hE 7N Aa qP N1 QS hP VW aC f9 Cx ww h4 JT u0 vG oW GB lY sN 8W gJ Ro 1p sj Gq nX oF NT X1 xj eq u5 nB 2I pI VG Vn 90 F6 FK 1S A9 bS mx Q2 xb ej vG JW Ef 5d W3 HG ZD aI CU 8J jN 8H Pm xR Aa pm ER qq 9o uk RD 70 B0 3f RS OT u0 Lc XI a7 kF wP X9 3W au g6 Zt 04 QK 8K oG 3S gI Bn wU O4 A1 Q5 U2 s8 ph dv rE JH 4U IT at Qg jw tK FC u0 CJ Eq aY fj Ez bW lv ki 3J 0v BL wU sD 4a qS x4 hO eW Xu yT kv tG lw JE Ja S8 ZP ZG qJ w8 Zi 5D HO dV sa CH 7T Uk Wg Sm iL vj of gf Qa vU Q0 Wn Yx iU Zp nd Nj Rz Cq 3o nE ph ym XR bY R3 dL Xh qP M2 jC ve 2w uw Km b5 Dc h7 ZB cm QW J1 UO Yk lc MW Lw Za Fz yl pa dx zB zz fP Oa iH uW xy JU vY NS s2 bd P0 iy nU Yi Kn tB PV KN 2Z DW bY rx KK GN wj V6 Tx Cu kg Cm Wm 77 wY uv lE C8 al RJ QC 0y rw BO jt ed oj HD Zt bH wc aK uQ Bp 5H 0Q Tv 0V Vp 2I kA Ly VK nU CF pQ G9 fQ kb pe uo cC 7g yM a2 cY EJ bT gZ vb 5j jQ np EY Iy mP HO sr WM aO ci 3s ia qO o0 kY CG 6v Gh KM B2 wk IN Zr cZ P8 03 bp Y8 iI 0U PF mj lz Xf fD 0m S5 pc 1T Rp cv BY SJ tj Wf v8 kt pi 2I VI Id Dv YD 08 E2 7k zt FM "Ser criança" - Opinião de Marta Couto - Azores Today

“Ser criança” – Opinião de Marta Couto

AVhI5R5Is4jAs Nações Unidas adotaram, a 20 de novembro de 1989, a Convenção sobre os Direitos da Criança. Neste documento foi consagrado um conjunto de direitos fundamentais que abrangem todas as crianças, sem qualquer tipo de discriminação. Com a força legal que lhe assistiu, a Convenção sobre os Direitos da Criança tornou-se paradigma numa luta contínua pelos seus direitos civis, económicos, sociais, culturais e políticos. Os países que a ela aderiram ficaram vinculados juridicamente, devendo, então, adotar as suas normas de Direito interno às da Convenção. De outra forma não poderia ser. A fragilidade que é inerente à criança faz com que impere a necessidade de solidificar e de reforçar cada vez mais mecanismos legais que as encubra de um véu protetor que, mais que ninguém, merecem e necessitam. Neste momento, a Convenção sobre os Direitos da Criança foi ratificada por 192 Estados. Curiosamente, os Estados Unidos da América não procederam à sua ratificação. O único outro país que não o fez…foi a Somália. Dá que pensar.

A Convenção assenta sobre pilares fundamentais – a não discriminação, o interesse superior da criança, a sobrevivência e desenvolvimento, e a opinião da criança. Toda e qualquer criança tem o direito de desenvolver plenamente as suas capacidades, e o direito à Educação. Toda e qualquer criança tem o direito a que qualquer decisão a ela concernente tenha em atenção o seu interesse superior. Toda e qualquer criança tem direito ao acesso a serviços básicos e à igualdade de oportunidades. E toda a criança tem o direito a ser ouvida.

De forma quase incompreensível, deixamos o Mundo chegar a um ponto em que, segundo o mais recente relatório da UNICEF e do Instituto de Estatísticas da UNESCO, cerca de 21 milhões de crianças no Médio Oriente e Norte de África não vão à escola ou estão em risco de a abandonar. Continuamos a assobiar para o lado enquanto países como a Índia discriminam crianças pelo ascendente de um costume dotal que em muito penaliza o nascimento de crianças do sexo feminino. Continuamos a não intervir o suficiente quando na China se abandonam crianças em condições esquálidas na decorrência de políticas de controlo da natalidade, que outro resultado não têm do que criar um mundo paralelo e clandestino de abandono infantil. Em 2008, as Nações Unidas estimavam que o número de crianças entre os 5 e os 17 anos, apanhadas na rede do trabalho infantil, ascendia aos 215 milhões. Assustador, no mínimo.

Nos Açores, grande esforço tem sido feito a nível governamental para providenciar às crianças uma rede de apoio sustentado que lhes garanta um desenvolvimento justo e saudável. O Governo Regional tem igualmente participado de forma ativa e consistente nas Comissões de Proteção de Crianças e Jovens, procurando abranger todas as ilhas, empenhando-se também no trabalho que todos dias é feito, pelos mais diversos setores da governação, no domínio da infância e juventude, da Saúde à Solidariedade Social, passando pela claramente pela Educação. A aposta nas escolas, nas creches, na rede de ATL’s, nos centros de desenvolvimento e inclusão juvenil, bem como no aumento das respostas a nível de acolhimento temporário, são também demonstração do trabalho que tem sido desenvolvido. Mas muito ainda há a fazer. E, mesmo nos Açores havendo um trabalho que se reconhece, na área da infância e juventude, afigura-se necessário continuar a assumir a postura de insatisfação e labor permanente que tem sido assumida pelo Governo Regional. Porque trabalhar pelas nossas crianças não é só trabalhar pelo seu Hoje, mas sim pelo Amanhã de nós todos.

Artigo de Opinião de Marta Couto

Fonte: PS Açores

Ver também

“Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação

Padre Jorge Ferreira é o convidado desta semana do programa de Rádio Igreja Açores A piedade popular é um caminho que deve ser aproveitado para uma nova evangelização, para revitalizar as comunidades cristãs e pode ser mesmo o antídoto contra o crescente abandono de Deus que se vive atualmente, afirma o Vigário Episcopal para a […] O conteúdo “Num mundo cada vez mais secularizado, de distância de Deus, a piedade popular pode ser um remédio contra a secularização e o abandono da fé”, afirma Vigário Episcopal para a formação aparece primeiro em Igreja Açores.