Livro “Até para o ano em Jerusalém” será lançado na Sinagoga de Ponta Delgada a 28 de maio

A primeira cerimónia oficial, após a inauguração do Museu e Arquivo Documental da Memória Judaica nos Açores (Sinagoga), realiza-se a 28 de maio, pelas 21h00, com o lançamento do Livro “Até para o ano em Jerusalém”, de Maria da Conceição Caleiro.
A apresentação do livro será feita por Renata Correia Botelho, com o apoio de Paulo Lages na leitura de alguns excertos deste romance.
A autora nasceu e vive em Lisboa. Concluiu, em 1989, o mestrado em Literatura e Cultura Portuguesa na Universidade Nova de Lisboa. Entre 1998 e 2003, trabalhou como assessora no Instituto Português do Livro e Bibliotecas e no âmbito da promoção da leitura, desenvolveu com a Culturgest uma série de debates, além de ter lançado o projeto Comunidades de Leitores, do qual foi moderadora nas livrarias Buchholz e Eterno Retorno.
Maria da Conceição Caleiro escreve regularmente em jornais e revistas como o Colóquio/Letras, LER, Egoísta e sobretudo no suplemento “Ípsilon” do jornal Público, onde há muito faz crítica literária de vários géneros e autores.
A autora do romance “Até para o ano em Jerusalém”, também realizou na RDP, antena 2, um programa, “A Biblioteca de…”.
Os textos literários de Maria da Conceição Caleiro podem encontrar-se publicados em diversas editoras independentes (revistas Cão Celeste, Piolho), mas foi em 2009, que se estreou no romance, com a publicação de O Cão das Ilhas (Sextante), que obteve o prémio PEN Clube Português para Primeira Obra publicada em 2009.

Vítor Meireles doou à Sinagoga livro em língua hebraica de 1907

Refira-se, entretanto, o poeta e escritor Vítor de Lima Meireles ofereceu à Sinagoga de Ponta Delgada um livro, em língua hebraica, que está traduzido também em inglês. Este livro é uma verdadeira obra de arte e pertence a uma edição com alguma raridade. A publicação desta obra é da responsabilidade de Hebrew Publishing Company, de Nova Iorque e data o ano de 1907.
Quanto aos pormenores deste livro, constituído por 478 páginas, a sua capa é feita de Marfim, veludo e metal e tem no centro uma miniatura de Tora, com motivos vegetalistas. Esta doação ao mais antigo templo judaico existente em Portugal, situado em pleno Centro Histórico da cidade de Ponta Delgada e transformado em museu e arquivo documental da memória judaica nos Açores, deve ser utilizada na Festa de Ano Novo e inclui um saco de tecido de seda, utilizada, por judeus, em atos religiosos.

Ver também

Em recuperação

Fonte: RTP Açores (clique neste link para ver o video)