Cerimoniário da Sé empresta coleção privada de presépios para exposição na Biblioteca de Angra

Cerimoniário da Sé empresta coleção privada de presépios para exposição na Biblioteca de Angra

Dez 15, 2016 | Destaque II

Presépios são oriundos de várias partes do mundo

A Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo exibe até ao próximo dia 7 de janeiro a Exposição de Presépios , num total de 135, que fazem parte da coleção particular do Padre Duarte Gonçalves Rosa, cerimoniário da Sé.

Esta exposição pretende “revelar a riqueza do património cultural associada à representação de presépios, células ancestrais do Advento do Natal” referem os organizadores.

“Esta mostra espelha a diversidade cultural e a interculturalidade transversais a toda a humanidade, na iconografia, no imaginário e na relação com a religião” adianta ainda a nota.

A exposição integra presépios de diversas proveniências, nomeadamente da ilha Terceira, dos Açores, da Europa, da Ásia e da América do Sul.

“Estes cruzamentos e multiplicidade de representações patentes na exposição estão bem vincados pela diversidade e riqueza dos presépios, independentemente da sua origem, mas também pelos materiais utilizados, as técnicas, as linguagens estéticas, os cromatismos, a apropriação ou a imagética cultural, intercultural, a miscigenação, entre outros aspetos” sublinha a nota da organização.

O presépio é tradição entre as famílias católicas e montá-lo é um gesto que ajuda a preparar a celebração do nascimento de Jesus, lembrado em cada Natal.

O presépio habitualmente deve ser montado no 1º domingo do Advento e desmontado no dia 6 de janeiro, data em que a Igreja celebra a Solenidade da Epifania do Senhor.

O termo Presépio vem do latim Praesaepe, que significa estrebaria ou curral. A presença do Menino Jesus no estábulo demonstra a grandeza de Deus representada na fragilidade de uma criança. Começou a ser representado em 1223 por São Francisco de Assis que montou o primeiro presépio numa gruta, em Itália. Na época, a Igreja não permitia a realização de representações litúrgicas nas paróquias, mas São Francisco pediu a dispensa da proibição, para relembrar ao povo a natividade de Jesus Cristo.

O objetivo de São Francisco era facilitar a compreensão do nascimento de Jesus. E cada figura tem a sua função e o seu simbolismo.

Ler Mais em: Igreja Açores

ARTIGOS RELACIONADOS